Notícias

Pedro Barreto encerra Encontro Regional da Jovem Advocacia com palestra emocionante

09/06/2018 16h39 - Atualizado em 14/06/2018 12h03
Créditos: Gustavo Sá
Professora Letícia Vogt Medeiros durante a palestra “Os Desafios Da Mulher Advogada”.

O professor Pedro Barreto, conhecido como Superman da OAB, foi o responsável por encerrar em alto astral o VI ERJA (Encontro Regional da Jovem Advocacia), que aconteceu de 7 a 9 de junho, na sede da OAB-TO (Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins), em Palmas, com a palestra “Advocacia do Século XXI, Empreendedorismo e Desenvolvimento Pessoal”. Foi a primeira que o Tocantins sediou o evento, que foi realizado pela Caaic-TO (Comissão de Apoio aos Advogados em Início de Carreira da OAB-TO), ESA-TO (Escola Superior da Advocacia no Tocantins, em parceria com a Caato (Caixa de Assistência dos Advogados do Tocantins) e da Comissão de Cultura e Eventos da OAB-TO.

Confira galeria de fotos

Barreto defendeu que a advocacia tem que ser empreendedora, positiva e não se vitimizar. “Temos que ter a inteligência emocional de sabermos enfrentar momentos difíceis com maturidade e parcimônia, e, acima de tudo, gratidão. Acreditem na justiça de Deus, ela não falha. Vocês que estudaram, se prepararam, não podem se deixar abater por nenhuma crise, mas enxergar nesses momentos a oportunidade de seguir em frente, levantar a cabeça e dar a volta por cima!”, incentivou o professor.

Com exemplos pessoais, Barreto fez demonstrações de como momentos de tédio, como a vez que conseguiu um cliente em uma espera no aeroporto depois do atraso de um voo. “Gentileza, conhecimento e autoestima são ferramentas irresistíveis. As pessoas vão te procurar se você desenvolver estes atributos, porque elas vão se sentir contagiadas por você”.

A mulher advogada

Esta também foi a tônica da palestra “Os Desafios Da Mulher Advogada”, ministrada pela advogada e professora Letícia Vogt Medeiros na manhã de sexta-feira, 8. Para Letícia, cada dia mais as mulheres que escolheram a advocacia como profissão estão deixando para trás problemas inerentes a uma geração que foi educada para ser mãe, dona de casa e profissional.

“Os problemas da mulher jovem advogada já são outros. Elas já não carregam mais a culpa de que trabalho seja menos importante que a família, já enfrentam outros problemas, como se impor no mercado, ter mesmos salários e honorários dos colegas homens. Isso tudo passa por se empoderar, se impor. E para se impor, é preciso sobretudo de qualificação, postura e autoestima”, ponderou a professora.

Ela deu exemplos de como as mulheres estão cada vez mais galgando altos cargos, mostrando competência. Mostrou vídeos de depoimentos de colegas advogadas falando sobre as dificuldades e conquistas e trouxe o exemplo de como o judiciário já está dominado por mulheres, citando os quatro maiores cargos ocupados por Raquel Dodge, procuradora-geral da República, Cármen Lúcia, que preside o Supremo Tribunal Federal, Laurita Vaz, líder do Superior Tribunal de Justiça, e Grace Mendonça, primeira mulher a assumir o comando da Advocacia-Geral da União (AGU).

Também ministraram palestras neste último dia do VI ERJA o presidente da Comissão dos Advogados em Início de Carreira da OAB-PA, Afonso Henrique Furtado, com o tema “Sustentações Orais e Tribunal do Júri”; a presidente da Comissão do Jovem Advogado da OAB-AP, Eliane Dias, com a palestra “Precificação de Honorários”; e a advogada e membro da Comissão do Jovem Advogado da OAB-AC, Marília Gabriela Oliveira, com o tema Prática de Audiência de Instrução em Juizados Especiais Cíveis.