Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser!
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > NOTÍCIAS > Mais uma vitória da Advocacia: OAB/TO atua e juiz de Palmeirópolis decide em favor de advogado municipalista
Início do conteúdo da página
NOTÍCIAS

Mais uma vitória da Advocacia: OAB/TO atua e juiz de Palmeirópolis decide em favor de advogado municipalista

  • Escrito por Patrícia Laurindo de Paiva
  • Criado: Quarta, 27 Abril 2022 14:31
  • Publicado: Quarta, 27 Abril 2022 14:31
  • Última Atualização: Sexta, 29 Abril 2022 11:29

Mais uma vitória da advocacia. o juizo da Comarca de Palmeirópolis indeferiu a liminar requerida pelo Ministério Público do Tocantins (MP-TO), que pleiteava a devolução dos valores pagos pela prefeitura de São Salvador ao advogado do município, sob a alegação de que não obedecia ao valor mínimo da tabela de honorários estabelecida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além de apontar suspostas irregularidades na contratação.

A decisão contempla que “a tabela de honorários advocatícios tem como fundamento de existência a necessidade de fixar e uniformizar os valores mínimos de honorários cobrados pela advocacia, sendo dever ético do advogado evitar o aviltamento de valores dos serviços profissionais, não os fixando de forma irrisória ou inferior ao mínimo fixado pela Tabela de Honorários”.

Sobre a falta de licitação para a prestação do serviço, a decisão do TJ-TO argumentou que “Inexiste discussão acerca da legalidade da contratação, inclusive sob a modalidade de inexigibilidade de licitação, o que, também, encontra-se pacificado no mundo jurídico após a edição da Lei nº 14.039/2020, que inseriu o art. 3º-A na Lei nº 8.906/1994 (Estatuto da OAB)”.

“A Ordem está ao lado da advocacia, da preservação da sua dignidade, da sua liberdade e da sua valorização profissional”, destacou o presidente da OAB/TO, Gedeon Pitaluga.

De acordo com a procuradora-geral de prerrogativas da OAB/TO, Aurideia Loiola, qualquer violação de prerrogativas será defendida pontualmente pela Ordem. “Estamos diante de uma tentativa grave de violação das prerrogativas, que é impedir que o profissional exerça suas atribuições com remunerações legais que lhe são garantidas. Vamos priorizar sempre a defesa da nossa advocacia”, destacou Aurideia.

"Essa causa é de toda advocacia, tenho dito. Nosso Presidente agiu de forma cirúrgica. A comissão municipalista se empenhou para conceder todo apoio técnico e moral ao colega Advogado. A decisão reflete seriedade e respeito à nossa classe. Sem sombra de dúvidas, o Magistrado, de forma técnica e ponderada, reconheceu um direito que há muito nos custa caro. A Advocacia municipalista Tocantinense está de parabéns!", disse o Presidente da comissão de direito Municipalista, Renan Albernaz.

Nova Manifestação
Após o indeferimento da liminar, o MP-TO nesta quarta-feira, 27, se manifestou pela desistência da ação em desfavor do advogado. A promotoria entendeu que não há com o MP-TO sustentar a imputação pela prática de ato de improbidade por suposta dilapidação do patrimônio público, especialmente pela ausência de dolo.

registrado em:
Fim do conteúdo da página